Poemas participantes da enquete ( Em teste )

29 de maio de 2012

O Começo do Fim


Quando será que o fim começou? Quando começou a acabar?
O fim pode ter tido início no começo...E inevitavelmente acabou. Assim foi decretado.
Isso pouco importa.
Mas é isso que pensamos quando um amor acaba, quando chega ao fim. É exatamente isso que tentamos explicar. Tentamos com todas as forças justificar de alguma forma, aquilo que já estava secretamente predeterminado.
Parece que se explicado, vai doer menos. Parece que assim o meio justificaria o fim. Sem trocadilhos é claro.
Mesmo com a dor exalando, inspecionamos cada milímetro ou cada segundo do relacionamento (este já enterrado), para descobrirmos onde ou quando o amor mudou, ou porque acabou. Passamos horas, procurando saber em   que rua ou em que esquina nos perdemos um do outro.
Temos a necessidade de explicar e justificar o que não tem explicação.
Temos a necessidade de encontrar um erro, um vacilo um “não sei o quê” que nos mostre o motivo  para tudo ter acabado.
E a dor grita: “ Eu ainda amo”. Como se isso fosse suficiente... Como se o amor pudesse sobreviver de maneira unilateral.
Quem de nós, nunca viveu isso? Quem de nós, nunca chorou um amor perdido?
Quem nunca sentiu na alma essa dor pungente, torturante?
O amor acaba sim.  Da mesma maneira que a chuva passa, que o sol se põe, e o vento para.
Tudo morre. E o amor, se não morre, transforma-se. Ele não  é eterno, nunca foi.
O amor é volúvel, inconstante, transitório. E um dia troca de cara, de roupa, de endereço. E o riso que antes era para mim, hoje tem outro destino. O olhar que antes seguia-me, hoje tem outro foco.
E essa simples constatação, maltrata, fere, DÓI.
E esse amargo não passa, ele demora... Se instala. E então tudo que a gente quer, é que essa dor passe ou  explique-se que peça desculpas, peça perdão e suma.
E mais tarde, só muito mais tarde, é que um outro alguém nos provoca novos risos.

Um comentário:

  1. Mais uma vez uma publicação show de bola do Blog, Parabéns Tia!

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Gosto de escrever. Escrever para mim é uma necessidade, uma cura. Escrever é um ato de extrema entrega, é de dentro pra fora. Escrevo por urgência, escrevo por amor e com amor. Sou imediatista, intensa, e sonhadora! Defeitos? Tenho muitos, incontáveis talvez; melhor nem dizê-los.; Tenho uma alma sonhadora. Sonho, e como sonho...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...